Gestão Escolar: ações, contradições e alternativas

  • Rogério de Almeida Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Gestão Escolar, Auto-Organização, Paradigma de Complexidade e Políticas Públicas

Resumo

Duas posições antagônicas norteiam as pesquisas sobre o impacto das políticas públicas na gestão escolar: a posição que defende a escola como espaço de igualdade, capaz de desenvolver o capital humano e prepará-lo para o mundo do trabalho e a prática da cidadania, por meio de uma gestão considerada democrática e calcada nas diretrizes de seu projeto pedagógico; e a que estabelece críticas sobre as contradições de seus modelos de gestão, pretensamente democráticos, mas que de fato reproduzem as desigualdades sociais excluem a participação de alunos, pais e professores e servem aos interesses dos sistemas de produção capitalistas. A partir da dicotomia dessas duas vertentes, o presente texto busca estudar uma alternativa de abordagem baseada nas perspectivas epistemológicas partilhadas por Edgar Morin, Boaventura de Souza Santos e Humberto Maturana e que têm como característica principal pensar os fenômenos a partir de sua complexidade, ou seja, sem buscar uma solução para as contradições, mas antes incorporando-as na dinâmica do conhecimento e das relações. Com esse escopo, empreende-se uma discussão sobre os objetivos educacionais e as possibilidades de ação no campo da auto-organização, concebido como alternativa de gestão educacional.
Publicado
2014-02-14
Seção
Artigos