COMO ANDA A PESQUISA BRASILEIRA SOBRE COCRIAÇÃO DE VALOR?

  • Irene Raguenet Troccoli Universidade Estácio de Sá
  • Ana Maria Boamorte Universidade Estácio de Sá
  • Eduardo Altaf
  • Ricardo Rios Cavalini Filho
  • Robson Machado Faria
Palavras-chave: Cocriação de valor; Marketing; Lógica Dominante de Serviço

Resumo

A visão advinda do pensamento econômico da era industrial, e que por décadas baseou o fundamento das teorias de Marketing, até recentemente tinha, como característica principal, o conceito de que esta disciplina deveria concentrar-se na distribuição de bens físicos. Com o passar do tempo, porém, novas perspectivas surgiram e alteraram essa forma de pensar. Uma dessas vertentes levou o Marketing a basear-se em relacionamentos, em recursos intangíveis e em cocriação de valor, que formaram a lógica dominante do serviço (LDS). Esse fenômeno justifica a importância de se realizar, no caso da produção acadêmica brasileira desta área da Administração, uma varredura a respeito de algumas características das pesquisas voltadas à cocriação de valor. Respondendo à pergunta de como se configura a pesquisa brasileira acadêmica contemporânea qualificada que enfoca este construto, o objetivo do presente artigo de abordagem quantitativa, com base em estatística descritiva, é disseminar-lhe e agregar-lhe conhecimento, por meio de uma melhor compreensão quanto a tendências, a recorrências e a lacunas no movimento investigativo brasileiro publicado em revistas qualificadas na área de Administração. Para tanto, foi realizado levantamento de artigos registrados na base SPELL ao longo de mais de oito anos, que contivessem a palavra cocriação. Dentre as considerações finais, louva-se que, ainda que de pequeno porte, exista conjunto de pesquisadores brasileiros interessados em estudar a cocriação de valor. Este elemento se aninha na mudança de entendimento que os estudos de Marketing sofreram a partir do presente século, ao se abandonar a clara separação entre bens físicos e serviços que até então perdurava.

Biografia do Autor

{$author}, Universidade Estácio de Sá

Mestranda em Administração e Desenvolvimento Empresarial

Eduardo Altaf

Mestrando em Administração e Desenvolvimento Empresarial

Ricardo Rios Cavalini Filho

Mestrando em Administração e Desenvolvimento Empresarial

Robson Machado Faria

Mestrando em Administração e Desenvolvimento Empresarial

Publicado
2018-11-22