AVALIAÇÃO DA ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NEUROMUSCULAR DE MÉDIA FREQUÊNCIA (CORRENTE RUSSA) NA FORÇA MUSCULAR DO TRÍCEPS BRAQUIAL EM MULHERES NÃO PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA.

  • Roberta Souza Rebequi
  • Lais Galvão Lemos Santana
  • Étria Rodrigues
  • Kamila Santos Ressurreição
  • Eduardo Filoni
  • Alexandre Marin Hernandez Cosialls
  • Denise Loureiro Vianna
  • Daniel Rogério de Matos Jorge Ferreira
  • Alexandre Sabbag Silva
  • Carlos Alberto Santos
Palavras-chave: Terapia por estimulação elétrica, força muscular, modalidades de fisioterapia.

Resumo

Introdução: A estimulação elétrica neuromuscular (EENM) vem comumente sendo utilizada como um dos pilares das modalidades terapêuticas para o ganho de força muscular. Objetivo: Avaliar a força muscular dos extensores do cotovelo em mulheres após a utilização da EENM de média frequência. Materiais e Métodos. Foram selecionadas 8 mulheres, com índice de Massa Corpórea (IMC) normal, previamente saudáveis, não praticantes de atividade física, com idade de 18 a 27 anos. A pesquisa foi realizada na Clínica de Fisioterapia da Universidade de Guarulhos por um período de 5 semanas. Foi utilizado a corrente Russa com os parâmetros de corrente portadora de 2.500 Hz, frequência modulada de 50 Hz, fase (ciclo) de 50%, subida e descida 2 segundos cada, tempo ON e OFF de 20 segundos cada, por um tempo total de 20 minutos no ventre muscular do tríceps braquial, com uma intensidade suficiente para proporcionar contração muscular visível e tolerável. A mensuração de força foi feita por meio de um Dinamômetro portátil anteriormente ao início do protocolo da EENM e ao final para avaliar possíveis ganhos de força. Resultados: Para análise estatística dos resultados foi utilizado o teste T Student pareado e considerado o nível de significância de p=0,05. Os achados demonstraram que houve aumento significante da força muscular em ambos os braços, sendo a média de ganho de 14,5 libras no tríceps que recebeu a EENM e 5 libras no controle. Conclusão: A EENM foi eficiente no ganho de força do tríceps braquial das voluntárias da pesquisa.

Publicado
2018-11-22