A PRÁTICA DA LIBERDADE SOB A PERSPECTIVA DE JORGE AMADO E JEAN-PAUL SARTRE

UM REEXAME DE CAPITÃES DA AREIA

  • Thais Aparecida Dibbern Universidade Estadual de Campinas
  • Mauro Cardoso Simões Unicamp
Palavras-chave: Capitães da areia, Liberdade, Condição humana, Interdisciplinaridade

Resumo

O presente artigo tem como objetivo traçar um diálogo entre a obra “Capitães da areia” de Jorge Amado, com os pressupostos filosóficos de Jean-Paul Sartre acerca da liberdade, considerando-a enquanto condição humana. Para tanto, entrecruzamos as obras, de modo a articular ambos os trabalhos com base no conceito de liberdade concebido por Sartre. Como forma de organização, o artigo divide-se em duas partes, além de uma breve introdução e considerações finais. A primeira delas busca apresentar os pressupostos de Sartre acerca da liberdade, tendo como base os seguintes tópicos: qual o conceito sartreano de liberdade?; o que é ser livre?; existem limites à liberdade?. A segunda parte do artigo pretende apresentar o diálogo traçado entre as respectivas obras e teorias, uma vez que entende-se que Amado soube explicitar de forma clara e precisa o conceito de liberdade constituído por Sartre, bem como problematizar e representar a realidade da época. A interdisciplinaridade do trabalho encontra-se no diálogo que se propõe a promover a interlocução e compreensão das relações existentes entre a literatura e a filosofia. Enquanto resultado, compreende-se que Amado (2009) soube explicitar de forma clara e surpreendente os pressupostos de Sartre sobre a liberdade, considerando-a enquanto condição humana, visto que somos condenados a sermos livres. Assim, durante a narrativa da obra literária, o “ser-em-si” fora dissolvido para grande parte dos meninos, os quais passaram a moldar-se segundo sua própria liberdade, constituindo suas essências, direcionando-se para o “ser-para-si”, isto é, para novos horizontes e possibilidades de ser.

Biografia do Autor

{$author}, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Política Científica e Tecnológica pelo Instituto de Geociências da Unicamp. Mestra em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e Bacharela em Gestão de Políticas Públicas pela mesma Universidade. Pesquisadora do Laboratório de Estudos do Setor Público e do Observatório de Direitos Humanos da Unicamp. E-mail: dibbern.thais@gmail.com.

{$author}, Unicamp

Professor do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas da FCA/UNICAMP. E-mail: mcsimoes1973@gmail.com.

Publicado
2019-06-04