ARTE, MITO E EDUCAÇÃO ENTRE OS FONS DO BENIN: A ESTÁTUA DE GU

  • Júlio Cesar Boaro Faculdade de Educação - Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Arte Africana, Mitologia, História da Educação

Resumo

O presente artigo tem como escopo a reflexão sobre a relação entre arte, mito e ancestralidade entre um dos povos mais tradicionais da costa oeste africana, os Fons do Benim. Nesta reflexão, que tomará a estatuária beninense como mote, foi escolhida a estátua de Gu, um ancestral mítico presente na cultura dos Fons surgido no contexto do hibridismo cultural com seus vizinhos Iorubás, em relações historicamente marcadas por guerras e enfrentamentos. A etnia Fon, como sendo das várias etnias africanas trazidas para o Brasil para servirem como escravos no Brasil colônia, é constituinte de uma parte da população negra brasileira, e consequentemente nos deixou uma herança cultural representativa principalmente na religiosidade de matriz africana. Este artigo insere-se, desta forma, entre as discussões relativas à Lei 10639/03, posteriormente alterada para 10545/08, que visa a obrigatoriedade do ensino da História e da Cultura da África e dos afrobrasileiros no currículo nacional.

Biografia do Autor

{$author}, Faculdade de Educação - Universidade de São Paulo

Faculdade de Educação - Universidade de São Paulo - USP

 

Publicado
2016-05-06
Seção
Artigos