Estabilidade de Nanopartículas de Cobre e de Prata em Meio Aquoso

  • Jones Leite Soares Centro Universitario Brazcubas
  • Gabriel Godoi da Conceição Brazcubas Educação
Palavras-chave: cobre, nanopartícula, prata

Resumo

Um método de redução química na tentativa de obtenção de nanopartículas de cobre e de prata coloidal em meio aquoso é reportado. Utilizou-se para ambos os casos o ácido L-ascórbico em excesso como agente redutor e o uso da gelatina comercial como agente estabilizante das nanopartículas. As dispersões coloidais foram caracterizadas por espectrofotometria UV-vis após 4 meses de obtenção a fim de se observar a estabilidade das nanopartículas. Depois desse período não foram observados precipitados ou partículas em suspensão a olho nu. Identificou-se nanopartículas de prata em uma das sínteses sem a gelatina comercial e de óxido de cobre de cor amarela com ou sem a gelatina comercial. A formação do óxido de cobre se dá pela presença do oxigênio em meio aquoso e cuja concentração aumenta com a diminuição da temperatura. A maior estabilidade de nanopartículas de prata de prata em relação às de cobre se dá em razão de a prata apresentar menor tendência espontânea de sofrer oxidação em relação ao cobre.

Biografia do Autor

{$author}, Centro Universitario Brazcubas

Doutorado em Química (Química Inorgânica) pela Universidade de São Paulo, Brasil(2016). Docente do Centro Universitário Braz Cubas.

{$author}, Brazcubas Educação

Discente do 6o semestre do curso de Engenharia Elétrica do Centro Universitário Brazcubas

Publicado
2020-05-23