ENTRE DUENDES E FADAS, A TELA ENCANTADA:

CONSIDERAÇÕES NARRATIVAS E ESTILÍSTICAS SOBRE CARROSSEL. O FILME

  • João Paulo Hergesel Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas) http://orcid.org/0000-0002-1145-0467
  • Luan Ximenes Dias Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas)
Palavras-chave: Audiovisual, Cinema, Narrativa, Estilo

Resumo

Dirigido por Alexandre Boury e Maurício Eça, Carrossel: O Filme (2015) é uma ramificação da telenovela Carrossel (SBT, 2012-2013), escrita por Iris Abravanel e dirigida por Reynaldo Boury. Este artigo tem como objetivo compreender as estratégias narrativas presentes em uma obra audiovisual infantojuvenil brasileira contemporânea. Para isso, propõe-se uma análise da referida obra, pautada nos estudos de David Bordwell (2005), por intermédio das quatro motivações propostas pelo autor: composicional, realista, artística e transtextual. Os resultados apontam que, embora traga inovações no conteúdo e remodele o enredo da telenovela, o filme brasileiro está amparado pelas normas extrínsecas do cinema clássico hollywoodiano.

Biografia do Autor

{$author}, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas)

Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Linguagens, Mídia e Arte da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Membro do grupo de pesquisa Entre(dis)cursos: sujeito e língua(gens). Contato: joao.hergesel@puc-campinas.edu.br.

{$author}, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas)

Graduando do curso de Relações Públicas da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Lattes: http://lattes.cnpq.br/5199260250874112. Contato: luan.xd@puccampinas.edu.br.

Publicado
2020-06-05