AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO EM ACADÊMICOS UNIVERSITÁRIOS DE MEDICINA E FISIOTERAPIA

  • Gustavo Monteiro de Jesus Universidade de Mogi das Cruzes
  • Tamires Daiana da Silva Oliveira Virgínio
  • Karen Egêa Baco
  • Fernando Bicocchi Canova
Palavras-chave: Sono; privação do sono; estudantes universitários; efeitos psicológicos; qualidade do sono

Resumo

Contexto e objetivo: Com os estudantes universitários dormindo cada vez mais tarde e acordando cedo devido as mudanças de seus hábitos de vida, fazem com que essa má qualidade do sono cause problemas em sua saúde, além de causar alterações cognitivas e um aprendizado mais prejudicado. Desenho e local: Estudo quantitativo, descritivo e transversal com aplicação de questionário realizados com alunos dos três primeiros anos dos cursos de medicina e fisioterapia da Universidade Mogi das Cruzes, campus de Mogi das Cruzes, SP. Métodos: Estudo realizado entre março a setembro de 2018 com 80 participantes. Resultados: Todos os participantes encaixaram nos critérios de inclusão, com média de idade de 21 anos para medicina e 22 anos para fisioterapia. A média de horas dormidas por noite, em ambos os cursos, passou- se de 7 horas e o maior problema relatado por 48,75% é que já acordaram no meio da noite ou de manhã mais cedo do que o costume e 57,5% têm sentimentos negativos algumas vezes e devido a essas adversidades, 46,25% dos participantes alegam que a qualidade de seu sono é mais ou menos boa.  Discussão: A média de sono encontrada nesta pesquisa se mostra algo favorável já que para que tenha uma saúde melhor recomenda-se pelo menos 7 horas de sono por dia. Com relação aos problemas do sono, vale ressaltar que, com o advento da tecnologia, nos faz ficar mais acordados e não sentimos sono, podendo acarretar em alguns problemas cognitivos e psicológicos. Conclusão: mesmo com os problemas descritos pelos estudantes com relação ao seu sono e as consequências de uma má noite dormida, a maioria dos participantes classificou seu sono como de boa qualidade, sendo algo positivo para os universitários.

 

Context and objective: With university students sleeping more and more late and waking up early due to changes in their lifestyle, this poor quality of sleep causes problems in their health, in addition to causing cognitive changes and more impaired learning. Design and location: Quantitative, descriptive and cross-sectional study with the application of a questionnaire carried out with students from the first three years of the medicine and physiotherapy courses at Mogi das Cruzes University, Mogi das Cruzes campus, SP. Methods: Study conducted between March and September 2018 with 80 participants. Results: All participants met the inclusion criteria, with an average age of 21 years for medicine and 22 years for physiotherapy. The average number of hours slept per night in both courses was 7 hours and the biggest problem reported by 48.75% is that they have already woken up in the middle of the night or in the morning earlier than usual and 57.5% % have negative feelings at times and due to these adversities, 46.25% of the participants claim that the quality of their sleep is more or less good. Discussion: The average sleep found in this research proves to be something favorable since in order to have better health, at least 7 hours of sleep per day is recommended. With regard to sleep problems, it is worth mentioning that, with the advent of technology, it makes us stay more awake and we do not feel sleepy, which can cause some cognitive and psychological problems. Conclusion: even with the problems described by the students in relation to their sleep and the consequences of a bad night's sleep, most of the participants classified their sleep as of good quality, being something positive for university students.

Publicado
2021-10-18

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##