AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DOS RECURSOS FISIOTERAPÊUTICOS NA ESPASTICIDADE DO PACIENTE COM PARALISIA CEREBRAL

  • Vanessa Beatrice Colman Centro Universitário Brazcubas
  • Augusta Rodrigues da Cunha Andrade, SP UBC
  • Gabriela Aparecida Polido UBC
  • Luciana Alécio Centro Universitário Brazcubas
  • Laila Moussa Centro Universitário Brazcubas
Palavras-chave: Paralisia cerebral, Espasticidade, Fisioterapia

Resumo

Introdução: O termo Paralisia Cerebral (PC) descreve um grupo de desordens do desenvolvimento do movimento e da postura, atribuídas a distúrbio não progressivo que ocorre no encéfalo em desenvolvimento. Essas desordens motoras causam limitações das atividades de vida diária (AVD) e são frequentemente acompanhadas por distúrbios da sensação, percepção, cognição, comunicação e comportamento. Objetivo: Revisar a literatura sobre as formas de tratamento fisioterapêutico na espasticidade em paciente com paralisia cerebral.MÉTODOS: Estudo Teórico de Revisão de literaturacom bases de dados eletrônicas utilizadas foram Scielo, PubMed, Bireme, período de 2009 a 2018. RESULTADOS:Dentre as diversas técnicas utilizadas como recurso para o tratamento fisioterapêutico na espasticidade, considerando as necessidades de cada paciente, em relação ao nível e grau de comprometimento a cinesioterapia, com o conceito Bobath, denominado por inúmeros autores como Tratamento Neuroevolutivo que influenciam o tônus muscular por meio da mobilização, alongamento e ativação de músculos, foi a mais utilizada. A crioterapia e termoterapia também vem sendo elucidada nos últimos anos como uma maneira de redução do tônus. A técnica Watsu, sendo um recurso complementar no controle da espasticidade é também uma técnica minimamente invasiva voltada à diminuição da espasticidade. Técnicas invasivas também são utilizadas,a toxina botulínica é uma delas. CONSIDERAÇÕES FINAIS: As técnicas que auxiliam a adequação do tônus muscular, que quando escolhidas de forma individual proporcionam melhores resultados principalmente quando combinadas. As técnica mais amplamente utilizada hoje é a Cinesioterapia e a Técnica Neuroevolutiva Bobath, sendo estas associadas a outras formas de manejo para ampliar os resultados.

PALAVRAS-CHAVE: Paralisia cerebral; Espasticidade; Fisioterapia.

Biografia do Autor

{$author}, Centro Universitário Brazcubas

Graduanda do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário Brazcubas

{$author}, Centro Universitário Brazcubas

Docente e Orientadora de Conteúdo do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário Brazcubas.

{$author}, Centro Universitário Brazcubas

Docente e Orientadora Metodológica do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário Brazcubas.

Publicado
2019-06-06

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##