REGENERAÇÃO ÓSSEA GUIADA PÓS EXODONTIA – BARREIRA POLIPROPILENO: RELATO DE CASO

  • Renata Guimarães Santos Centro Universitário Braz Cubas
  • Viviana Moraes Neder Centro Universitário Braz Cubas
Palavras-chave: materiais biocompatíveis, membranas artificiais, polipropileno.

Resumo

Nos últimos anos tem aumentado a procura e a preocupação da reabilitação funcional e estética de pacientes edêntulos parciais e totais através dos implantes osseointegrados, sendo que os procedimentos tradicionais e convencionais aconselham o período de 2 a 3 meses de remodelação óssea da cavidade após a exodontia, além de um período a mais de 3 a 6 meses de cicatrização sem cargas mastigatórias, para o sucesso da osteointegração do implante. Sabendo que existem defeitos peri implantares, perdas extensas horizontais e verticais, baixa espessura na tábua óssea vestibular sendo uma das principais causas de defeitos ósseos. A reconstrução do processo alveolar através da regeneração óssea guiada (ROG) com a barreira não reabsorvível de polipropileno, reduz a gravidade dos defeitos ósseos e proporcionam o formato ideal para reabilitação do paciente.  As barreiras devem apresentar integração pelos tecidos do hospedeiro, semipermeabilidade, biocompatibilidade, de fácil manuseio e capacidade de manutenção do espaço sem agredir os tecidos, independente de serem reabsorvíveis ou não, e de sua matéria prima que deve ser um material biocompatível sintético.

Publicado
2020-07-18